Arquivos de tags: inverno 2010

Vogue Italia junho 2010

 

Na era do “mendiguismo” fashion, onde parece que as tendências vêm dos lugares mais inusitados, a Vogue Itália resolveu mostrar um lado deste movimento e produziu um editorial que vai ás bancas no próximo mês chamando a atenção para essa tendência “Homeless”.

Um dos pontos levantados por quem analisa moradores de rua atrás de tendências é a criatividade destas pessoas em trabalhar com elementos escassos e produzir combinações inusitadas que, hora contrastam com o meio onde se inserem, hora criam uma harmonia com este espaço.

Querendo ou não, o fato é que quando nos privamos de certas coisas, nos obrigamos a trabalhar com outras e delas extrair uma essência, um algo mais que a simples beleza (que por si só não é simples).

Mas esta onda não é novidade. O movimento chamado de Pauperismo iniciou na década de 80 com a entrada de estilistas orientais nas semanas de moda internacionais. Captou a dica?

Fique com os cliques de Steven Meisel para o editorial “Wild is the wind” para a revista Vogue Itália, Junho de 2010.

 

(clique nas imagens para ampliar)

 

Por Doug Oberherr

Daspu, a criação de uma ONG que virou uma sacada de marketing

O que começou como uma forma de gritar ao mundo um pedido de reconhecimento e respeito por uma profissão, se tornou uma maneira bem humorada de inserir em uma sociedade preconceituosa a realidade e a alma de mulheres excluídas.

Pelo bate papo com Gabriela Leite, a idealizadora da marca Daspu, pudemos perceber que seu discurso é recheado de experiências o que garante propriedade para falar. Com sorriso meigo no rosto e uma elegância digna de muitas madames, Gabriela conduziu uma conversa muito bem humorada (e põe humorada nisso, não foram poucos os momentos de risos com a platéia fascinada com suas histórias e tiradas muito boas).

A marca surge de forma inesperada, sem aviso e sem noção. De uma conversa abafada em um botequim, a notícia da criação de uma marca por prostitutas se espalha pela cidade e ganha visibilidade nacional. No dia seguinte, ligações e mais ligações, entrevistas e a certeza de que o projeto engrenaria.

Com o apoio de artistas, designers e administradores, a marca se tornou, em pouco tempo, uma referência em matéria de conteúdo, sarcasmo, atitude, inteligência e um senso de humor afiado.

Na fala de Gabriela percebe-se que a marca se fundamentou com uma identidade bem definida, a partir do momento em que começou a ser levada a sério. Ela ainda credita uma imensa parte do sucesso ao plano de negócios proposto pelos alunos da ESPM de SP, que criaram estratégias sólidas de concepção da marca, de implementação de formas de comunicação eficazes e uma análise detalhada de investimentos coerentes.

Uma coisa fica bem clara: nenhuma das prostitutas que fazem parte da Associação pretende deixar a profissão. Muito pelo contrário. Elas renegam as máquinas de costura porque gostam do que fazem, são felizes neste trabalho.

“Ninguém faz nada que não queira. Faz porque precisa ou porque quer, quando não os dois” – diz Gabriela quando indagada sobre como vê a relação das prostitutas de luxo que fazem programas mesmo tendo famílias ricas que podem mantê-las.

Para a mediadora, Ida Helena Thon, o que deu o pontapé e a repercussão na mídia desta marca foi o caráter contestador, desafiador que se propôs desde o início. Numa sociedade hipócrita que clama por alguém que dê o start em uma “campanha” contra o falso moralismo e insira na sociedade uma dose cavalar de realismo, o surgimento da Daspu mostrou que existem, sim, pessoas que têm peito e coragem de apostar em uma ideia que pode adotar um caráter subversivo, porém embasado em história, arte, moda, comportamento e atitude.

Acessórios DI-VI-NOS

Ontem falamos de uma tendência de moda para este inverno que está chegando. Hoje, trazemos outras modinhas que vão fazer a sua cabeça.

Inspirada na moda rock e misturado às tendências românticas, um item no qual as celebridades vêm apostando bastante são os acessórios para cabeça. São diferentes chapéus, tiaras e faixas(também conhecidas como headbands). Confira alguns modelos interessantes que achamos para você:

Truque: algumas bandanas podem obter um visual novo, se dobrarmos elas e as deixarmos apenas em uma tira, fazendo um nó central.

Gostou???

Pri Pagnussat

Aos pés de Maurício Medeiros

Ele trabalha desde os 12 anos de idade com sapatos, dedicando-se aos processos de produção, modelagem, criação, trabalhando para várias grifes de LUXO, como André Lima, Jun Nakao, Alexandre Herchcovitch e Carlos Miele. Em 2001 ele lançou sua coleção própria, com uma inspiração que carrega consigo até hoje: mulheres reais, sofisticadas, que tratam seus sapatos como jóias(e de fato são jóias de belas que são suas peças). “ELE” é o gaúcho de Novo Hamburgo MAURÍCIO MEDEIROS que anda arrancando suspiros da mulherada a cada par lançado.

“J&J- Como surgiu a ideia de ter uma marca própria?

MM- Já fazia os sapatos de várias marcas importantes do São Paulo Fashion Week, algumas delas com exclusividade naquela época como André Lima, Jun Nakao, além de Zoomp, Zapping e outras. Minha intuição me fez traçar este caminho paralelo ao trabalho que já vinha fazendo com as demais marcas.

J&J-Na hora da criação, além de ter um tema, tu pesquisas ?

MM- Sempre, permanentemente visualizo a mulher que penso calçar. A pesquisa é constante e não se resume  aos calçados. As referências são sempre mais limpas quando não olhamos o universo que nos circula, mas sim elementos adjacentes que traduzem uma nova estética.

J&J-E a internet ajuda nessa pesquisa? Quais sites que tu mais utilizas?

MM- Ajuda, pois nos faz viajar sem sair da sala. São muitos os sites, mas não me prendo a nenhum, sempre mudo, descubro novos, uso blogs de consumidoras do exterior, os clássicos como style, wwd e etc. No universo da moda alguma informações são melhor absorvidas se mantemos elas de maneira reservada.

J&J- E sobre fazer uma coleção masculina, o que tu pensas?

MM- Fiz numa única ocasião. Meu primeiro modelo e forma apresentei ao Renato Kerlakhian, fundador e diretor criativo da Zoomp na época e para a Carine Roitfeld (stylist da Zoomp na época), hoje editora de moda da Vogue francesa.

Os dois incluiram no desfile da Zoomp masculino na semana seguinte. Fiz isso e parei. Acho que são muitas para administrar ao mesmo tempo e o momento ainda me exige muito no universo feminino. Pretendo um dia retomar este projeto”.

Outras informações sobre o lado businessman do estilista em: http://www.modalogia.com.br/index.php?s=mauricio+medeiros e também no seu próprio site:

http://www.mauriciomedeiros.com.br/

Por Priscila Pagnussat

Ale Herchcovitch para baixinhos

Os baixinhos fashionistas de plantão podem comemorar – e os papais também – já que um grande nome da moda nacional, Ale Herchcovitch assinou uma linha exclusiva para a C&A. Por isso o motivo dos papais respirarem aliviados (roupa com design bacana e preço acessível).

Muito xadrez, sobriedade e respingos coloridos (marcas de Herchcovitch) estão presentes na proposta apresentada dia 23 de março. Sobre as peças: são 45 modelos criados exclusivamente para meninos e meninas, onde figuram vestidos, macacões e capas.

Em entrevista para o blog da Lilian Pacce Ale disse que vem mais coisas por aí. Perguntado se rolava uma coleção para adultos ele não disse que sim, muito menos que não. Ainda na entrevista, ele definiu a coleção como “infantil sem ser infantiloide” e assegurou que as peças tem muita informação de moda sem perder a característica de ser uma peça feita para crianças.

Confira algumas fotos do making of da campanha e alguns looks que vão figurar nas lojas a partir de maio.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

 

Por Douglas Oberherr e Priscila Pagnussat

O SAPATO

Eles já são sucesso pelas ruas do mundo todo e a marca brasileira Melissa já tem a sua versão: os sapatos Oxford. Eles são muito antigos, mas como toda releitura, teve sua mudança. Agora ele é unissex e para alegria das mulheres, alguns surgiram com saltos lindos!

Confira o que achamos por aí:

Por Priscila Pagnussat

Donna Fashion Iguatemi dia 1

Confira as fotos do primeiro dia de desfiles do Donna fashion Iguatemi. Looks arrasadores na passarela confirmando todas as tendências apresentadas para o inverno.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

 

 

 

Fotos: Gabriela Loeblein

SOBRE os caracóis dos seus cabelos

Começou com as flores no cabelo há uns dois verões atrás. Mas como a moda não para de se (re)inventar, outras novidades surgiram na cabeça da mulherada. Direto dos anos 20, os CASQUETES voltam à cena. Ao mesmo tempo em que é um acessório delicado, ele impõe certo poder, por imitar acessórios masculinos, como chapéus(só que em versão mini) da época. E tem coisa mais bonitinha?

Por Priscila Pagnussat

Top Guisela Rhein: gaúcha no topo

Pegando o gancho da campanha bafônica da Ontop para o inverno 2010, fomos atrás da top Guisela Rhein(que no ensaio para a marca aparece em poses supersensuais junto do empresário Rico Mansur), para saber mais sobre as preferências e a vida corrida da bela. Morando atualmente em Nova York e megarequisitada em trabalhos para importantes estilistas – ela já estrelou campanhas para a Dior e desfilou para Jean Paul Gaultier, Hermès e Roberto Cavalli – , Guisela nos atendeu prontamente (chiquerésima respondendo de seu BlackBerry) e foi supersimpática. A gente virou fã! E ela mostrou que ainda tem muito o que mostrar. Confere as respostas da gaúcha, natural de Caxias do Sul:

J&J – Morando em NY e sempre trabalhando tanto para estilistas e campanhas internacionais, sobra um tempinho de visitar a família em Caxias do Sul?

Guisela – Realmente não sobra muito tempo não, mas sempre que consigo ir ao Brasil minha mãe tenta me ver, normalmente no Rio.

J&J – Como você define seu estilo?

Guisela- Meu estilo defino como “camaleão”, cada situação, lugar, faz com que eu me transforme em uma mulher diferente. Mas gosto muito dessa coisa menina-mulher. Acho que sou muito isso.

J&J – Quais são seus estilistas favoritos? Para quais você faz questão de trabalhar?

Guisela- Adoro o Jean Paul Gaultier, John Galiano, Ralph Lauren. No Brasil, Cantão, Osklen e Animale.

J&J – Você fez a campanha da Ontop já duas vezes. Se identifica com o estilo da marca?

Guisela – A segunda temporada que fiz me identifiquei mais com o estilo (ela já havia feito a campanha de verão da marca), achei muito legal para o lado que eles foram, estilo Balmain. Adorei mesmo.

J&J– Quais são os seus planos futuros de trabalho?

Guisela- Meus planos futuros são continuar morando em NYC, continuar trabalhando e crescendo profissionalmente no meu país e viajando pra lá e pra cá sempre, conquistando cada vez mais mercados internacionais.

Por Gabriela Loeblein

Falando em bolsa…

Se a bolsa que imita uma embalagem de bala gigante é irreverente, o que você acha de um produto cujo a marca já tem grande influência em vários públicos e já é moda pelos pés das pessoas ao redor do mundo? É, a Crocs agora tem bolsa!

Por Priscila Pagnussat

%d blogueiros gostam disto: